Esportes

Lewis Hamilton vence na Bélgica e acumula 89 vitórias na F1

Lewis Hamilton, piloto da Mercedes, venceu o Grande Prêmio da Bélgica 2020 de Fórmula 1 de forma tranquila, de ponta a ponta, cruzando a linha de chegada 8,448s à frente do seu companheiro de equipe Valtteri Bottas, segundo colocado. Max Verstappen, da Red Bull Racing, completou o pódio na terceira posição.

Foto: XPB Images

Foi a vitória número 89 da carreira do britânico, que persegue o recorde de Michael Schumacher com 91 triunfos na F1. A vitória em Spa-Francorchamps foi a quinta de Hamilton na temporada em sete corridas disputas. Marcou também a segunda dobradinha da Mercedes nas corridas em 2020.

A corrida foi marcada por um forte acidente de Antonio Giovinazzi, que acabou envolvendo também George Russell. O italiano da Alfa Romeo perdeu a traseira do seu C39 na saída da curva 13 e acertou as proteções, voltando à pista e obrigando Russell desviar. O piloto da Williams quase acertou uma roda solta de Giovinazzi e acabou batendo nas proteções. O incidente trouxe o único Safety Car do dia.

Daniel Ricciardo foi o quarto colocado e assegurou o ponto extra pela volta mais rápida na última das 44 voltas da corrida em Spa. Esteban Ocon, companheiro de equipe do australiano na Renault, terminou em quinto – no melhor resultado do ano da Renault.

Alexander Albon foi o sexto colocado no segundo RB16, depois de ser superado por Ocon na volta final.

Lando Norris, da McLaren, ganhou três posições na corrida e terminou em sétimo. Carlos Sainz, companheiro de equipe do britânico, não largou devido à problemas com o sistema de exaustão na volta de formação.

A oitava posição coroou uma boa corrida de Pierre Gasly. O piloto da AlphaTauri optou por uma estratégia alternativa quando o Safety Car entrou na pista em decorrência do acidente de Giovinazzi.

Enquanto a maioria dos pilotos foi para os boxes, Gasly e Sergio Pérez ficaram na pista. Para Perez, que calçava pneus macios, a estratégia não deu nada certo, mas funcionou para Gasly.

Fechando a zona de pontuação, os dois Racing Point. Lance Stroll em nono à frente de seu companheiro de equipe Pérez.

A corrida

Hamilton largou bem e segurou a P1. Todos os pilotos passaram sem incidentes pela La Source. Ricciardo partiu para o ataque sobre Verstappen, com os dois andando lado a lado por algumas curvas. O holandês manteve a posição.

Albon caiu para a sexta posição, enquanto Leclerc saltou para 8ª colocado no fim da primeira vota – faturando cinco posições no primeiro giro.

Na volta 3, Hamilton já abria 1,2s para o segundo colocado Bottas, que também mantinha boa distância para Verstappen. Por sua vez, o holandês já colocava 2,4s de vantagem para Ricciardo.

Depois de ganhar várias posições na largada, Leclerc começou sofrer pressão dos rivais na volta 5. Um a um, todos iam passando pelo monegasco da Ferrari. Enquanto isso, Vettel não conseguia progredir da P13.

Gasly, Perez, Norris e Kvyat já tinham superado Leclerc a volta 8, rebaixando o piloto da Ferrari para a 12ª posição.

Lá na frente, Verstappen não conseguia se aproximar de Bottas. A diferença aumentava volta a volta, chegando nos 5,5s na volta 9.

A Renault se estabelecia como a terceira equipe em Spa. Ricciardo e Ocon eram quarto e quinto colocadas, respectivamente, enquanto Albon seguia na sexta posição mais de um segundo atrás de Ocon e sem conseguir atacar o francês.

Na volta 10, um grave acidente entre Giovinazzi e Russell, trazendo o Safety Car para a pista e enviando todos os pilotos aos boxes para suas paradas obrigatórias – com exceção de Gasly e Perez.

Giovinazzi perde a traseira de sua Alfa Romeo sozinho saindo da curva 13, acertou as proteções violentamente e cruzou a pista. Russell vinha atrás e até que tentou desviar, mas acabou batendo em um dos pneus soltos do C39 do italiano e foi parar nas proteções. Ambos abandonaram a corrida.

A relargada veio no final da volta 14. Gasly, que não parou, relargou na quarta posição à frente de Perez – ambos optaram por ficar na pista durante o Safety Car.

Perez encabeçava uma fila de pilotos que não conseguiam passar pelo mexicano. Na volta 18, Ricciardo abriu asa na Kemmel e passou o piloto da Racing Point assumindo a quinta posição. Na sequência, foi a vez de Albon tomar a sexta posição de Perez.

A tentativa da Racing Point de manter Perez na pista se mostrava um erro e o mexicano foi chamado para fazer sua parada na volta 19.

Quase um novo acidente aconteceu entre os Ferrari. Na Les Combes, Leclerc tentou por fora, mas Vettel manteve a rota e ambos se tocaram levemente. Por sorte, ambos não tiveram danos e o alemão seguiu à frente do seu companheiro de equipe.

Gasly, com os pneus duros usados, não conseguiu se defender dos ataques de Ricciardo na volta 20. O australiano passou e abriu na P4, e deixou o caminho para Albon, que rapidamente superou o francês.

A temperatura da pista começou a cair rapidamente. Foram quatro graus a menos em poucos minutos, enquanto nuvens encobriam o circuito de Spa-Francorchamps.

Leclerc foi chamado pela Ferrari para uma nova parada na volta 25, voltando com os médios. O monegasco não entendeu o motivo da parada, mas não obtive um retorno da Ferrari. “Por que vocês me pararam agora?”, perguntou Leclerc pelo rádio. “Daqui a pouco a gente te responde”, disse a equipe.

Curiosamente, a equipe injetou ar comprimido perto da base do chassi do monegasco, explicando a demora na parada.

Na volta 28, Gasly fez sua parada para terminar a corrida e caiu para 15º. Para a estratégia da AlphaTauri dar certo, os pilotos precisariam parar mais uma vez.

Falando 15 voltas para o fim da corrida, Vettel não rendia e era superado por Perez na briga pela P11. “Não vou conseguir chegar em ninguém na minha frente. Por que a gente não para nos boxes?”, disse o alemão pelo rádio.

Gasly, com pneus novos, começou abrir caminho pelo grid. O francês da AlphaTauri não teve dificuldades para superar Grosjean e fez o mesmo com Vettel algumas curvas depois, assumindo a 12ª posição.

Na volta 37, Hamilton cometeu um erro – raro em sua carreira. O britânico passou reto na Bus Stop, foi até a área de escape e voltou à pista. Apesar do erro, o britânico voltou mais de cinco segundos à frente de Bottas.

Confira o resultado final do Grande Prêmio da Bélgica de F1:

1) Lewis Hamilton (Mercedes)
2) Valtteri Bottas (Mercedes)
3) Max Verstappen (Red Bull/Honda)
4) Daniel Ricciardo (Renault)
5) Esteban Ocon (Renault)
6) Alexander Albon (Red Bull/Honda)
7) Lando Norris (McLaren/Renault)
8) Pierre Gasly (AlphaTauri/Honda)
9) Lance Stroll (Racing Point/Mercedes)
10) Sergio Pérez (Racing Point/Mercedes)
11) Daniil Kvyat (AlphaTauri/Honda)
12) Kimi Räikkönen (Alfa Romeo/Ferrari)
13) Sebastian Vettel (Ferrari)
14) Charles Leclerc (Ferrari)
15) Romain Grosjean (Haas/Ferrari)
16) Nicholas Latifi (Williams/Mercedes)
17) Kevin Magnussen (Haas/Ferrari)
OUT) A.Giovinazzi (Alfa Romeo/Ferrari)
OUT) George Russell (Williams/Mercedes)
OUT) Carlos Sainz Jr. (McLaren/Renault)

Fonte: Da redação

 

Click to comment

Deixe uma resposta

To Top
%d blogueiros gostam disto: