Mundo

Clima na Terra pode ser o mesmo que há 34 milhões de anos

Análises de sedimentos antigos permitiram aos cientistas fazer linha do tempo

Foto: Steffen Olsen/Divulgação A imagem de 2019 do gelo derretido na Groenlândia, percorreu o mundo; em vez de 3°C, a temperatura registrada foi cinco vezes mais alta

Cientistas acabaram de concluir uma das investigações mais abrangentes da história do clima da Terra – e elas não são favoráveis. Eles descobriram que o planeta poderia, eventualmente, aquecer a níveis que não alcançava em, pelo menos,  34 milhões de anos . O novo estudo foi publicado na revista científica Science.

Os pesquisadores, liderados por Thomas Westerhold, da Universidade de Bremen, na Alemanha, construíram conjuntos de dados usando análises químicas de sedimentos antigos , perfurados do fundo do oceano. Esses sedimentos, alguns dos quais com 66 milhões de anos, são preenchidos com conchas preservadas de minúsculos organismos que podem informar sobre a temperatura e a composição química do oceano quando foram formados.

Coletados em todo o mundo ao longo de muitos anos, eles permitiram aos pesquisadores reconstruir a história do clima da Terra , desde a extinção em massa que matou três quartos das espécies do planeta, incluindo os dinossauros.

Constatou-se que o planeta passou por quatro fases climáticas distintas . As transições de um estado para outro geralmente dependem da mudança nos níveis de gases de efeito estufa, muitas vezes impulsionados por erupções vulcânicas e outros processos naturais, e mudanças na órbita da Terra que afetaram a quantidade de energia solar que chega ao planeta.

Nas fases mais quentes, há mais de 50 milhões de anos, as temperaturas na Terra eram 10 graus Celsius mais altas do que são hoje . Mas é importante notar que o planeta levou milhares ou até milhões de anos para atingir esses níveis – e isso foi muito antes de os humanos caminharem por aqui. Isso contrasta, fortemente ,com o tipo de mudança climática que a atividade humana está provocando hoje.

Há vários milhões de anos, o mundo está em um estado de congelamento. Mas isso está mudando rapidamente. Se a humanidade nada fizer para conter suas emissões de gases de efeito estufa, em apenas três séculos , a Terra poderá mais uma vez atingir um limite de temperatura não visto há pelo menos 34 milhões de anos.

Antes da era industrial, tal magnitude de aquecimento levaria milhares de anos para ocorrer, pelo menos. “Se você olhar para o pior cenário [em 2.300], a mudança na temperatura global média é maior do que a maioria da variabilidade natural que remonta aos últimos 66 milhões de anos relacionada às mudanças na órbita da Terra”, disse Jim Zachos, paleoclimatologista da Universidade da Califórnia, nos EUA, e coautor do novo estudo.

Não é um futuro inevitável . Com ações imediatas e rigorosas para reduzir as mudanças climáticas, o mundo pode evitar que as temperaturas globais subam mais do que alguns graus acima de seus níveis pré-industriais.

Mas o estudo alerta que, sem esses esforços, a Terra está no caminho certo para algumas das mudanças climáticas mais fortes e rápidas que o planeta já experimentou.

O estudo também pode fornecer alguns insights importantes sobre como a mudança climática pode ocorrer nas próximas décadas e séculos.

O clima da terrestre  nem sempre muda de maneiras lineares previsíveis. Existem todos os tipos de processos de feedback que podem acelerar ou desacelerar as coisas – como a velocidade com que as geleiras  derretem ou a forma como as nuvens mudam em resposta ao aquecimento futuro.

No passado antigo, por exemplo, o estudo sugere que as camadas de gelo do mundo desempenharam um papel importante na regulação do ritmo e da previsibilidade da resposta do clima da Terra às mudanças naturais nos gases de efeito estufa ou mudanças orbitais. Hoje, os cientistas acreditam que o derretimento do gelo no mundo também pode ter um grande impacto nas mudanças climáticas futuras .

Esses tipos de processos de feedback podem tornar difícil prever mudanças futuras, especialmente em períodos de tempo relativamente curtos.

Reconstruir a história climática de longo prazo da Terra pode ajudar os cientistas a testar os modelos que usam para prever seu futuro. Se um modelo pode simular com precisão o passado, os cientistas podem ter mais confiança em sua capacidade de simular os processos climáticos atuais.

Fonte: IG

 

Click to comment

Deixe uma resposta

To Top
%d blogueiros gostam disto: